domingo, 23 de outubro de 2011

Emoção, choro e desabafo: Brasil é campeão e se vinga de Cuba

Esse post vem atrasado, mas o sentimento não: a vitória sobre Cuba no pan de Guadalajara marcou um dos jogos mais incríveis de nossa seleção em 2011. Jogo quente, muitas provocações, torcida contra, um típico Brasil x Cuba. E como cresceu o time cubano! Yohana Palacios saiu há algum tempo da reserva de grandes nomes para se tornar a principal jogadora da seleção cubana. Cruzando com ela está um nome conhecido do vôlei cubano, Kenia Carcases, antiga jogadora daquela seleção de 2007, que contava com Ramirez, Herrera, Carrilo e Ruiz. E Cuba só vem crescendo! Yusidey Silié é outra que vem crescendo notavelmente e ainda tem Ana Cleger Abel, que entrou no lugar da experiente Yannelis Santos. Definitivamente, a equipe cubana que se apresentou no pan cresceu muito desde o campeonato continental. Cuba jogou muita bola! Ainda que demonstrasse o melhor do seu jogo, não seria páreo para 5 sets contra o super Brasil. Falhas na recepção as ajudaram, sacando muito e atacando demais. Pelo lado brasileiro, com Fê Garay poupada, o Brasil sofreu um pouco. Paula Pequeno foi a atacante mais efetiva do Brasil no torneio, mas na final Mari deu o nome. E se a oposta Sheilla Castro passou todo o torneio devendo uma boa atuação, ela se encontrou na última partida, na hora mais importante do campeonato e foi decisiva no 5º set. No 4º set, quando todos esperavam o ouro, Cuba venceu. Pelas redes sociais, o torcedor brasileiro sofria: parecia um dejavu, 4 anos depois, a mesma final em um 5º set. Valeu a triste lembrança do sentimento de vingança em 2010 pelo Mundial de 2006. Não aconteceu. Seria mais uma vez, o Brasil, vítima de uma final? Dessa vez não! Dani Lins se agigantou e com Sheilla rodando pela saída, ficou fácil. Mais fácil ainda porque Garay despejava pancadas na quadra adversária e a china de Fabiana, cada vez mais efetiva. 14 x 10 e o Brasil já sabia: estávamos vingados! Na última bola, Tandara enfiou o braço na pararela e a líbero Emily Borrell mandou pra fora. Um alívio, gritos, choros, pulos, xingamentos. Não apenas em quadra, mas na casa de cada torcedor apaixonado por aquela seleção. Paula Pequeno chorava deitada em quadra, Virna chorava na transmissão oficial para o público brasileiro, imagens e mensagens da vila do pan demonstravam a felicidade pela vitória, torcedores declaravam seu choro virtualmente; estávamos vingados: NÓS DERROTAMOS AS CUBANAS!!!

Meninas comemoram após apagar fantasma de última edição do pan
No chão, Paula Pequeno chorou emocionada com a conquista
Jogadoras, comissão técnica e presidente da CBV comemoraram o título
Meninas sorriram felizes do mais alto lugar do pódio
Fabí homenageou Jaqueline e companheiras cortadas antes do pan

Nenhum comentário:

Postar um comentário