sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Europeu - semi-finais - Os 4 melhores times da Europa

Amanhã começam as semi-finais do Campeonato Europeu em Belgrado, na Sérvia. Quatro seleções se enfrentam em busca do título, da vaga na Copa do Mundo em novembro e posteriormente, a vaga olímpica. São elas: Sérvia e Turquia, Itália e Alemanha que se enfrentam respectivamente. Quatro campanhas surpreendentes, positivamente ou não, três dessas seleções enfrentam lesões com suas titulares e vieram incompletas para esse torneio, na garra e na técnica chegaram até aqui. Conheçam agora, nesse especial do Vôlei FÃminino, um pouco mais sobre a campanha das 4 seleções que chegaram até aqui.

Sérvia

Campanha: 
Fase de grupos: 3 x 1 França; 3 x 0 Ucrânia; 1 x 3 Alemanha
Oitavas de final: 3 x 0 Romênia
Quartas de final: 3 x 0 Polônia

Principal Jogadora: 
Jovana Brakocevic, oposta da seleção sérvia, tem 80 pontos no campeonato

Surpreendeu quando...
Venceu a Polônia por 3 sets a 0, nas quartas de final.

Enfrenta a Turquia na semi-final de amanhã.

Turquia
Campanha: 
Fase de grupos: 3 x 1 Azerbaijão; 0 x 3 Croácia; 3 x 2 Itália
Oitavas de final: 3 x 0 Espanha
Quartas de final: 3 x 0 Rússia

Principal Jogadora: 
Neriman Özsoy, ponteira da seleção turca, tem 85 pontos no campeonato

Desfalques no campeonato:
A levantadora Naz Aydemir e a ponteira Seda Tokatlioglu

Surpreendeu quando...
Venceu as favoritas Itália, por 3 sets a 2 na fase de grupos e eliminou a Rússia nas quartas por 3 sets a 0

Enfrenta a Sérvia na semi-final de amanhã.

Alemanha

Campanha: 
Fase de grupos: 3 x 0 Ucrânia; 3 x 0 França; 3 x 1 Sérvia
Quartas de final: 3 x 0 República Tcheca

Principal Jogadora: 
Margareta Kozuch, oposta da seleção alemã, tem 65 pontos no campeonato

Desfalques no campeonato:
A ponteira Heike Beier

Surpreendeu quando...
Venceu as sensações Sérvia por 3 x 1 e República Tcheca por 3 x 0

Enfrenta a Itália na semi-final de amanhã.

Itália

Campanha: 
Fase de grupos: 3 x 0 Croácia; 3 x 1 Azerbaijão; 2 x 3 Turquia
Quartas de final: 3 x 1 Holanda

Principal Jogadora: 
Carolina Costagrande, oposta da seleção italiana, tem 60 pontos no campeonato

Desfalques no campeonato:
As líberos Paola Cardullo e Enrica Merlo

Surpreendeu quando...
Negativamente, foi derrotada pela Turquia.

Enfrenta a Alemanha na semi-final de amanhã.

Sul-Americano: impondo experiência

Seleção brasileira não encontrou problemas ao passar fácil pelo frágil Chile
A seleção feminina de vôlei chegou a sua segunda vitória na noite desta quinta-feira (29) no campeonato Sul-Americano de Voleibol Feminino. O Brasil garantiu a segunda vitória no torneio e também a vaga nas semi-finais ao derrotar a frágil seleção do Chile por 3 sets a 0 (parciais de 25x8, 25x9 e 25x9). Zé Roberto optou por começar com Dani Lins, Sheilla, Mari, Jaqueline, Thaísa e Juciely. No segundo set, Fe Garay entrou no lugar de Mari e durante o mesmo, Jaqueline foi substituída por Sassá. No terceiro set, Dani Lins deu lugar a Fabíola. Zé Roberto moveu peças e ainda assim nada alterou a superioridade brasileira em relação ao adversário. Juciely foi a maior pontuadora do confronto com 12 pontos, já pelo lado adversário, Camila Pazdirek foi a maior pontuadora do Chile marcando 8. O Chile é formado por um time jovem, a exemplo de sua levantadora Josefa Schuler que tem apenas 16 anos. Josefa mostrou-se feliz apesar da derrota: "Estamos muito agradecidas por ter jogado com a melhor equipe do mundo. Para mim foi uma honra, jogamos ponto a ponto e demos o nosso máximo" - concluiu a jovem levantadora chilena. O Brasil enfrenta hoje seu adversário mais forte tecnicamente na competição: a Argentina. O confronto acontece às 22 horas (horário de Brasília) e pode ser acompanhado pela transmissão do canal Frecuencia Latina, pela internet.

Enquanto isso...

As donas da casa garantiram a vaga
para as semi-finais e a liderança
do grupo A
A exemplo do Brasil, a Argentina venceu o Paraguai por 3 sets a 0 (25x6, 25x10 e 25x17) e também se classificou para as semi-finais do torneio. A capitã Lucia Fresco e a ponteira Florencia Busquets foram as maiores pontuadoras da partida com 11 pontos. Argentinas e brasileiras se enfrentam hoje pela liderança do grupo B, onde o primeiro colocado enfrentará o vencedor de Colômbia e Uruguai (provavelmente a Colômbia) nas semi-finais, uma vez que o Peru, liderado pela experiente levantadora Elena Keldibekova tornou-se líder do grupo A ao vencer o Uruguai por 3 sets a 0 (em um triplo 25x13). E assim se manterá, já que a Bolívia não compareceu ao torneio e o confronto contra a mesma configura W.O. Foi a vez da Colômbia garantir a vitória de W.O. em cima da Bolívia. 

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Europeu - quartas de final - Nem só do brilho de uma estrela...

Donas da casa eliminaram as invictas Sérvias e partem para as semi-finais
Se o europeu vem sendo o campeonato das "estrelas marcadas", nessa sexta a Sérvia quebrou esse paradigma. Nem com uma partida excepcional da oposta Katarzyna Skowronska, a Polônia conseguiu sobreviver no campeonato europeu: os 21 pontos de Kasia não asseguraram a vitória de sua seleção, que em um todo jogou mal. Klaudia Kaczorowska jogou mal e obrigou ao técnico Alojy Swiderek que promovosse a entrada de Katarzyna Jaszewska, juntas, marcaram 8 pontos pela Polônia e 9 para a Sérvia. Vale ressaltar ainda o bom jogo da líbero Paulina Maj, principalmente na recepção. Mas Milena Radecka (Sadurek) não tinha muitas opções efetivas de ataque e só Skowronksa rodava pela sua seleção. A Sérvia fez sua melhor partida no campeonato, principalmente na defesa. As polonesas chegaram a se incomodar com o volume de jogo das adversárias. Pelo lado sérvio, Jovana Brakocevic marcou 10 pontos, mas a surpresa foram as centrais Natasha Krsmanovic com 13 pontos e a jovem Milena Rasic com 14, sendo 7 deles de bloqueio. Rasic marcou sozinha o que toda a equipe da Polônia marcou no jogo inteiro. Terzic insiste em Brizitka Molnar no lugar de Sanja Malagurski e por enquanto vem dando certo! A Polônia que até então não havia perdido um set, acabou eliminada e decide contra Rússia, Holanda e República Tcheca, do 5º ao 8º lugares. A equipe polonesa sentiu falta de suas principais estrelas, como a ponteira Anna Werblinska (Baranska) e as ponta/opostas Malgorzata Glinka e Joanna Kaczor. Já a Sérvia, segue jogando em casa e enfrenta a surpreendente Turquia nesse sábado pelas semi-finais.
Decepção polonesa, após eliminação do europeu

Europeu - quartas de final - A Alemanha que esperávamos

Alemãs comemoram em vitória contra as tchecas
Finalmente a seleção de Giovanni Guidetti começa a jogar como o esperado! Diferente do Grand Prix, em que a Alemanha foi citada como um dos grandes nomes, uma seleção que surpreenderia e acabou nem passando para a fase final, no europeu as alemãs vem firmes. Se classificaram em primeiro num grupo que continha a Sérvia e agora, se garantiram nas semi-finais ao eliminar as tchecas por 3 sets a 0. A República Tcheca é mais uma daquelas seleções deficientes em variações de jogadas, o jogo apertou, é bola pra Aneta Havlickova. O time alemão é experiente, com uma estrutura tática preparada para isso, forçou o técnico Jiri Siller a substituir sua grande estrela. Aí sobrou pra segunda jogadora mais importante da República Tcheca, Helena Havelkova, que marcou 13 pontos e foi disparada a maior pontuadora de sua seleção. Mas sozinha, Havelkova não conseguiu muito. Com más atuações da ponteira Andrea Kossanyiova e mesmo da reserva imediata de Havlickova, Tereza Vanzurová, a República Tcheca não foi páreo para o grupo alemão. Seleção que cada vez mais vem jogando como conjunto, prova disso é que a ponteira Maren Brinker novamente foi a maior pontuadora da equipe com 13 pontos. Mas a grande estrela alemã, Margareta Kozuch vem logo atrás com 12 pontos. Quem não foi muito bem hoje foi a experiente Angelina Grün, que mesmo sendo a jogadora mais acionada de sua seleção, marcou apenas 9 pontos (com 36% de eficiência). Eliminada, a República Tcheca briga agora pelo 5º lugar. Já a Alemanha, tem um desafio de grandes: encarar a favorita Itália na semi-final em Belgrado, na semi-final em Belgrado, nesse sábado.
Comemoração alemã e tristeza tcheca: sentimentos opostos nessa quinta em Belgrado

Sul-Americano: o império verde e amarelo

Começou ontem em Lima, no Peru, o 29º Campeonato Sul-Americano de Vôlei Feminino. Com oito seleções participantes, divididas em dois grupos: Grupo A - Peru, Colômbia, Uruguai e Bolívia; Grupo B - Brasil, Argentina, Chile e Paraguai. Tendo três jogos a cada dia, uma vez que a seleção da Bolívia desistiu do campeonato. O Brasil levou 12 atletas para o torneio: as levantadoras Dani Lins e Fabíola, as opostas Sheilla e Tandara, as centrais Fabiana, Thaisa e Juciely, as ponteiras Mari, Fernanda Garay, Jaqueline e Sassá e a líbero Fabí. A central Adenízia e as ponteiras Paula Pequeno e Natália foram cortadas do torneio. Segundo José Roberto, Natália voltou a sentir dores na canela e será poupada nesse Sul-Americano e também no Pan de Guadalajara. Paula Pequeno, não integrará apenas a seleção do sul-americano, mas segundo José Roberto, fará parte do grupo que irá a Guadalajara, tomando o lugar da ponteira Sassá. 

A estreia brasileira

Ponteira Sassá anotou 14 pontos na estreia brasileira
Sem ter trabalho, a seleção brasileira venceu por 3 sets a 0 (25x7, 25x9 e 25x8) o frágil Paraguai. Zé Roberto mesclou várias formações, como Jaqueline e Dani Lins, entre outras jogadoras em quadra. O time base foi Fabíola, Tandara, Fe Garay, Sassá, Fabiana, Juciely e Fabí. Sassá foi a maior pontuadora do jogo com 14 pontos. As brasileiras voltam a quadra hoje, às 18h (horário de Brasília) contra a seleção do Chile.

Outros resultados:

Principais rivais do Brasil no torneio,
Argentinas também venceram
A Argentina venceu o Chile por 3 sets a 0 (25x10, 25x15 e 25x12), com destaque para Yamila Nizetich que marcou 14 pontos. Para delírio da torcida local, as donas da casa, as peruanas, venceram a Colômbia em um jogo disputado por 3 sets a 1 25x23, 25x22, 18x25 e 25x17). O Uruguai, que jogaria com a Bolívia, venceu seua partida por W.O. adversário e teoricamente fez 3 a 0 (25x0, 25x0 e 25x0) nas adversárias.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Europeu - quartas de final - De novo, Azurra!

Seleção italiana se despediu de Monza com a vitória que eliminou a Holanda
Avital Selinger deve estar incomodado, mas fato é que pela segunda vez consecutiva, a Itália acabou com o sonho de título da Holanda no europeu, dessa vez, não numa final como em 2009, mas ainda nas oitavas. Bloqueando muito, em 3 sets a 1, a Itália se encaminhou para as semis, seguindo com a curiosa formação que apresenta Carolina Costagrande como oposta que recepciona. Seria uma tática para poupar a líbero Giulia Leonardi que passa por problemas físicos? Fato é que vem dando certo, tanto para Leonardi que recebe a minoria dos saques como para Costagrande, que hoje marcou 20 pontos, sendo 5 deles de bloqueio. A central Simona Gioli também marcou 20 pontos, 6 deles de bloqueio. No total, a Itália somou 18 pontos de bloqueio, três vezes mais do que as adversárias, cujo único destaque no fundamento foi Ingrid Visser, que sozinha fez 5 dos 6 pontos de bloqueio da sua seleção e com 19 pontos foi a maior pontuadora da Holanda. A Holanda hoje começou com Francien Huurman e não Caroline Wensink como de costume pelo meio. Com Manon Flier e Maret Grothues, principais atacantes da Holanda, bem marcadas, Debby Stam não foi bem e Selinger foi obrigado a colocar Lonneke Sloetjes, oposta, aumentando o espaço de recepção de Grothues e Janneke van Tienen, o que, obviamente resultou em mais saques em Grothues. A Holanda não resistiu e acabou eliminada pela Itália, que segue como favorita e agora vai para as semi-finais em Belgrado, na Sérvia e espera o vencedor do confronto entre República Tcheca e Alemanha.
Maret Grothues decepcionada ao ver sonho do título e olímpico mais distante

Europeu - quartas de final - Caindo das alturas

Turquia avisou: "podemos vencer, vencemos a Itália" e cumpriu, eliminando a Rússia do europeu
Era uma vez a Rússia, campeã mundial, uma das favoritas ao título. Era uma vez a Turquia, sem duas jogadoras importantes, um time que foi ao campeonato "para participar". Mas a realidade das quartas de final foi outra e a Turquia surpreendeu, na maior zebra desse campeonato: a Turquia derrubou a Rússia em três sets. Neriman Özsoy dominou a partida e mais uma vez, a ponteira saiu como maior pontuadora. Se todos esperavam que Ekaterina Gamova atuasse monstruosamente nos próximos jogos, como foi pela fase de grupos, veio a decepção: 9 pontos. Ainda assim, foi a maior pontuadora da Rússia. Vladimir Kuzyutkin optou por começar com  Vera Ulyakina começou jogando, mas com um número excessivo de bolas pra Gamova e Nataliya Goncharova acabou sendo substituída por Evgenia Startseva, que não mudou muito o padrão de jogo. Crédito para o brasileiro Marco Aurelio Motta e sua comissão técnica, a Turquia estudou e estava pronta para o jogo das principais ponteiras adversárias, diferente das russas que assistiram, além da ponteira Özsoy, a oposta Neslihan Darnel e a central Eda Erdem brilharem na partida de hoje, com 9 e 8 pontos respectivamente, além da levantadora Ozge Çemberci e a distribuição aplicada e eficaz. Com esse resultado, a Turquia eliminou a Rússia do campeonato europeu e também da Copa do Mundo. Pra participar das olimpíadas, a Rússia terá que buscar vaga nos classificatórios continentais do ano que vem. Já a Turquia, parte para Belgrado, onde aguardará o vencedor do confronto entre Sérvia e Polônia, jogo que acontece amanhã.
Central Perepelkina desesperada mediante a jogo apático da Rússia e brilho da Turquia

Europeu - oitavas de final

Hoje (28/09) foi o dia das oitavas em Belgrado, na Sérvia. As donas da casa enfrentaram a Romênia e a República Tcheca enfrentou a França. Detalhes:

Sérvia 3 x 0 Romênia  
Donas da casa, sérvias enfrentam a Polônia nas quartas de final

Jogando hoje em casa, as sérvias finalmente se classificaram para as quartas de final: bateram as romenas em 3 sets a 0.  Curiosamente o técnico sérvio Zoran Terzic insiste com Brizitka Molnar como titular, mas a partir do 2º set foi Sanja Malagurski quem brilhou pela ponta hoje, marcando 9 pontos. Molnar, marcou apenas 3 pontos. Outra que entrou durante a partida foi a levantadora Ana Antonijevic, mudando o estilo de jogo e garantindo a vitória sérvia. Como de costume a maior pontuadora do jogo foi Jovana Brakocevic, com 20 pontos. Pelo lado romeno, a oposta Carmen Turlea marcou 20 pontos. Amanhã, a missão sérvia é árdua: encarara a Polônia de Skowronska nas quartas de final.

República Tcheca 3 x 1 França
Tchecas levaram susto, mas venceram francesas e seguem na busca pelo título

As tchecas sofreram, mas encaminharam a classificação para as quartas. Com um bloqueio aplicado, a francesas logo exigiram a primeira mudança no lado adversário: Jiri Siller sacou Sarka Barbokova e colocou Andrea Kossanyiova para seu lugar. Mas quando Aneta Havlickova está inspirada - o que não é difícil - sai da frente! Foram 28 pontos da oposta tcheca e maior pontuadora da partida hoje. Pelo lado francês, a ponteira Anna Rybaczewski marcou 17 e foi a maior pontuadora de sua equipe. As tchecas enfrentam amanhã a embalada Alemanha de Grün, para tentarem chegar às semi-finais.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Europeu - oitavas de final

Aconteceram hoje (27/09) em Monza, na Itália, as disputas de oitava de final do campeonato europeu, entre os segundos e terceiros colocados dos grupos B e D. Amanhã (28/09), segundos e terceiros colocados se enfrentam em Belgrado, na Sérvia, buscando vaga nas quartas de final. Abaixo, os dois jogos que abriram a disputa das oitavas:

Turquia 3 x 0 Espanha
Turcas comemoram vitória contra espanholas. Amanhã, enfrentam a poderosa Rússia.
As espanholas lutaram, mas a participação de sua seleção no europeu chegou ao final: por 3 sets a 0, a Turquia do brasileiro Marco Aurélio Motta mandou as espanholas pra casa e amanhã (29/09), enfrenta as gigantes da Rússia nas quartas de final. E se Neslihan Darnel repetir seus 17 pontos de hoje, as russas vão ter trabalho! A central Eda Erdem foi a melhor em quadra, com 11 pontos só de ataque, virando 61% das bolas que recebeu. Do lado espanhol, nenhuma jogadora foi destaque efetivamente.

Holanda 3 x 1 Azerbaijão
Mesmo com boas atuações individuais azeris, conjunto holandês avançou às quartas de final

Na raça, as azeris até tentaram, mas não foram páreo para as experientes holandesas. A seleção da levantadora Oksana Parkhomenko até iniciou na frente, levando o primeiro set, mas logo as holandesas impuseram seu jogo e tomaram o marcador. Na Holanda, destaque para a oposta Manon Flier e seus 17 pontos, além da central Ingrid Visser que marcou 16, sendo 7 deles de bloqueio. No Azerbaijão, brilharam a ponteira Natalya Mammadova com 22 pontos e a oposta Polina Rahimova, com 20. Com vários problemas físicos desde antes do europeu, o Azerbaijão deixa o campeonato. A Holanda segue e amanhã encara a Itália nas quartas de final, numa reedição da última final do campeonato europeu.

Europeu - Grupo A

Alemãs demonstraram sua força ao vencer a Sérvia, surpresa do último Grand Prix
A Alemanha abriu os jogos atropelando a frágil Ucrânia. Sacando bem, complicaram o frágil time ucraniano e fechou por 3 sets a 0. A maior pontuadora foi a ponteira alemã Maren Brinker com 18 pontos. No mesmo dia, a Sérvia levou um susto com a França que venceu o primeiro set contando com bloqueios efetivos. Zoran Terzic trocou Malagurski por Molnar e a Sérvia se recuperou, contando com 20 pontos de Jovana Brakocevic. No dia seguinte, foi a vez das alemãs encararem as francesas, que não deram muito trabalho em mais um 3 a 0 para as alemãs. Mas o bom saque francês, exigiu que Margareta Kozuch tomasse as rédias de seu time e se tornasse a maior pontuadora do jogo com 22 pontos. As sérvias repetiram o feito e também venceram por 3 a 0, ainda com Molnar como titular. Jovana Brakocevic foi a maior pontuadora mais uma vez com 13 pontos. No último dia da fase de grupos, a França eliminou a Ucrânia ao aplicar 3 sets a 0 nas adversárias. A francesa Helene Schleck foi a maior pontuadora com 14 pontos. No clássico do grupo, a Alemanha saiu invicta e bateu as Sérvias em casa por 3 sets a 1. A vez de brilhar foi da ponteira que faltava, a ex-oposta e capitã alemã Angelina Grün que marcou 20 pontos.

JOGO RÁPIDO: 

Alemanha - classificada para as quartas de final
Sérvia - enfrenta a Romênia nas oitavas de final
França - enfrenta a República Tcheca nas oitavas de final
Ucrânia - eliminada

Campeonato Europeu - Grupo B

Apesar de garantirem o 1º lugar no grupo, italianas foram surpreendidas pela Turquia
Um dos melhores grupos taticamente, já iniciou com um 3 a 1: o Azerbaijão venceu a primeira parcial, mas não conseguiu conter o bom ataque turco nos sets seguintes. As equipes tiveram o mesmo número de bloqueios mas o incômodo do azerbaijão tem um nome: Neriman Özsoy e seus 22 pontos. Na estreia da Itália, uma surpresa: Carolina Costagrande como oposta, uma prova de que Massimo Barbolini não confia em Ortolani? Fato é que em 3 sets as italianas venceram as croatas, com 12 pontos da estrela Francesca Piccinini, maior pontuadora da partida. No dia seguinte, festa croata: vitória sobre a Turquia, 3 a 0. Com Özsoy e Darnel bem marcadas, as turcas ficaram perdidas em quadra e a seleção de Mira Topic venceu fácil, tendo-a como maior pontuadora com 19 pontos. Na vez da Itália, 3 sets a 1. Mesmo com 23 pontos de Polina Rahimova, o Azerbaijão não conseguiu passar pela Itália. Mais efetiva no bloqueio, a azurra levou. No último dia da fase classificatória, a decepção croata: derrotadas pelo Azerbaijão. 27 pontos de Natalya Mammadova, principal estrela do vôlei do Azerbaijão foram essenciais para classificar sua seleção. A Croácia teria que torcer agora a todo vapor pela Itália que jogaria contra a Turquia. Surpresa! A maior (E MAIS SUSPEITA) zebra do campeonato até agora fica por conta desse jogo: Turquia 3, Itália 2. A Itália se classificou em primeiro, mesmo com a derrota. A Turquia foi imensamente melhor no bloqueio e nenhuma italiana chegou perto de se igualar aos 27 pontos da ponteira Özsoy. Com isso, a Turquia se classificou em 2º lugar.


JOGO RÁPIDO: 

Itália - classificada para as quartas de final
Turquia - enfrenta a Espanha nas oitavas de final
Azerbaijão - enfrenta a Holanda nas oitavas de final
Croácia - eliminada

Campeonato Europeu - Grupo C

Festa polonesa após ser a única seleção que ainda não perdeu um set sequer no campeonato
O time polonês estreou contra a frágil seleção de Israel. Apesar de um primeiro set apertado, se impôs nos dois seguintes e fechou o jogo em 3 sets a 0. A oposta Katarzyna Skowronska voltou com moral e assinalou 14 pontos na primeira vitória da Polônia. O outro jogo do grupo foi entre as tchecas e as romenas, melhor para as tchecas que sacaram bem, bloquearam bem e contaram com 23 pontos de Aneta Havlickova. No segundo dia, já teve clássico entre duas das sensações do último mundial: República Tcheca e Polônia. Mais uma vez, um excelente trabalho no bloqueio e mais brilho de Skowronska, dessa vez com 16 pontos e maior pontuadora novamente. Israel e Romênia lutariam então provavelmente pela sua sobrevivência e as romenas entenderam o recado, aplicaram um 3 a 0 nas israelenses. A romena Ioana Nemtanu e a oposta israelense Anna Velikiy marcaram 12 pontos. No último dia, a República Tcheca se esbanjou com a recepção frágil de Israel e marcou um 3 a 0, garantindo o segundo lugar. Havlickova foi a maior pontuadora mais uma vez com 18 pontos. Pra finalizar e garantir a liderança, a Polônia teve trabalho. A Romênia entendeu o recado: peguem a Skowronska! E o técnico polonês Alojzy Swiderek, trocou Kosek e Skowronska. E foi a reserva da última, Anita Kwiatkowska que marcou 14 pontos e se tornou a maior pontuadora do jogo em que a Polônia venceu por 3 sets a 0.

JOGO RÁPIDO: 

Polônia - classificada para as quartas de final
República Tcheca - enfrenta a França nas oitavas de final
Romênia - enfrenta a Sérvia nas oitavas de final
Israel - eliminada

Campeonato Europeu - Grupo D

Nada modesta, a gigante russa marcou 86 pontos em 11 sets jogados
Na estreia a Holanda começou com com as irmãs Chaïne e Kim Staelens no banco, com Grothues e Djekma em suas respectivas posições. Com bons ataques e um bloqueio montado, não deram chances às espanholas, 3 sets a 0. Manon Flier foi a maior pontuadora do jogo com 13 pontos. As campeãs mundiais também passaram, não com a mesma facilidade, pelas guerreiras búlgaras. Em mais um 3 a 0, Ekaterina Gamova esbanjou superioridade e marcou 26 pontos. No segundo dia, mais um 3 a 0, dessa vez da Holanda na Bulgária,  com bons saques holandeses, até mesmo porque as búlgaras atacaram mais. Flier em mais uma boa atuação, marcou dessa vez 17 pontos. Já as russas, depois de muita dificuldade no primeiro set e um tropeço no segundo, venceram as espanholas por 3 a 1, com direito a 31 pontos da incrível Gamova. Precisa dizer mais? O clássico europeu teria duas super-opostas na briga pela liderança; melhor pra russa, que marcou 29 pontos contra as holandesas e venceu por 3 sets a 1. Como parar essa Gamova...? Na luta pela sobrevivência, a pobre Bulgária foi derrotada por 3 sets a 0, com 14 pontos de Milagros Collar, a destaque do time até então.

JOGO RÁPIDO: 

Rússia - classificada para as quartas de final
Holanda - enfrenta o Azerbaijão nas oitavas de final
Espanha - enfrenta a Turquia nas oitavas de final
Bulgária - eliminada

domingo, 25 de setembro de 2011

China retoma poder no asiático

A seleção chinesa que construiu uma verdadeira hegemonia no campeonato asiático, vencendo ininterruptamente  10 títulos, voltou a vencer nesse ano. Se nos dois últimos campeonatos, as orientais foram surpreendidas respectivamente pelo Japão e pela Tailândia, dessa vez foi diferente: por 3 sets a 1 a seleção chinesa derrubou o Japão e levou o título. A China que vive uma instabilidade desde 2009, parece finalmente estar encontrando seu jogo, provando isso com o título. A oposta deslocada para a ponta, Yimei Wang, foi a MVP do torneio.

Chinesas comemoram o título do asiático depois de 4 anos afastadas de sua hegemonia no continente

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Europeu - o continental dos gigantes

Começa nessa sexta (23/09) o Campeonato Europeu de Vôlei Feminino. O mais importante campeonato continental do esporte, conta com 12 seleções divididas em 4 grupos. Os primeiros colocados de cada grupo se classificam diretamente para as quartas de final e a partir do dia 26/09, o 2º e o 3º colocados de cada grupo, se enfrentam (2C x 3A, 3A x 2C, 2D x 3B e 2B x 3D) para conquistar a vaga nas quartas. Abaixo, confiram uma síntese das 12 equipes 

GRUPO A 


Sérvia 

Sediando boa parte do torneio, as jovens meninas da Sérvia podem surpreender nesse europeu. Ou não, uma vez que foi a Sérvia a seleção melhor colocada no Grand Prix 2011, com o 3º lugar. Um time jovem e alegre em quadra chamou a atenção do mundo. Liderados pela super oposta Jovana Brakocevic, a Sérvia deve lutar contra os grandes pelo título. Com seu time completo, provavelmente será a 1ª colocada em seu grupo, mas não será tão fácil, tendo a Alemanha como adversária direta. 
Maior pontuadora do último Grand Prix, oposta Brakocevic é destaque

Alemanha

Depois da decepcionante campanha no Grand Prix, Giovanni Guidetti resolveu ousar. Ousar bastante! Conseguiu o retorno de Angelina Grün, que atuou algumas temporadas no vôlei de praia. Mais do que isso, Guidetti se aproveitou do reforço na recepção que Grun adquiriu e a ex-oposta tornou-se ponteira da equipe alemã. O que veio a calhar, já que a ponteira Heike Beier, pediu despensa da seleção por sentir dores nas costas. O time da estrela Margareta Kozuch, deve disputar a primeira colocação com as donas da casa, as sérvias.
Retorno de Grün é destaque na equipe alemã


França

Sem muita tradição no vôlei, a França não deve passar das oitavas. Isso se conseguir vencer a frágil Ucrânia. A França não configura entre as principais seleções européia e mesmo em seu campeonato nacional, sempre investiu em estrangeiras. A jogadora mais popular é a jovem Christina Bauer, central com passagem pelo vôlei italiano.
Jovem central francesa, Chris Bauer é destaque de sua seleção

Ucrânia

Teoricamente é a seleção mais fraca do grupo. Sem muito envolvimento do país com o esporte, a seleção ucraniana é fraca e também não participa de grandes campeonatos. Seus destaques são a ponteira do Racing Club de Cannes, Maryna Marchenko e a oposta Anna Dovgopoliuk.
Destaques ucranianos tem difícil missão pela frente

GRUPO B

Itália

Quem viu o último Grand Prix da Itália, não a chamaria de uma grande seleção. Mas a verdade é que a grande seleção estava sobre processo de formação e agora conta com sua força máxima. Com exceção das líberos Paola Cardullo e Enrica Merlo, a seleção italiana vem completa. A dor de cabeça de Barbollini é exatamente com as líberos, uma vez que Giulia Leonardi também não está bem, sendo cogitada a hipótese de uma ponteira ser adaptada a essa posição. No demais, a Itália conta com todas as suas estrelas: Eleonora Lo Bianco, Francesca Piccinini, a ítalo-argentina Carolina Costagrande e etc. Na minha opinião, é a favorita ao título.
Má campanha da Itália no Grand Prix não deve esconder o real poderio das estrelas italianas  

Turquia

Uma seleção crescente, assim como o voleibol no país, a Turquia já teve problemas antes do início do campeonato: não contará com a ponteira Seda Tokatlıoğlu e a levantadora Naz Aydemir, ambas do Fenerbahçe de Zé Roberto. Com isso, reforça-se a expectativa sobre a oposta Neslihan Darnel e a ponteira Neriman Özsoy. Provavelmente disputará a segunda colocação do grupo com a Croácia.
Sensação do último mundial, Darnel deve assumir as "rédias" turcas

Croácia

A situação da equipe croata nesse ano é crítica! Em junho, a então técnica Irina Kirilova e toda a sua comissão, deixaram o comando da seleção alegando falta de pagamento. A seleção ficou parada por aproximadamente 2 meses, sem qualquer aviso prévio às jogadoras, que por conta própria trataram de encontrar maneiras para se manter em forma. A esperança das jogadoras pelo retorno da estrela Nataša Osmokrović foi frustrada e como se não bastasse tudo de ruim que essa seleção passou, a sua principal estrela, a ponteira Senna Usić teve um problema no pescoço que a tirou do europeu. A Croácia chegou a fazer jogos apertados contra seleções como a Rússia com seu time principal no Memorial Agata Mroz. Cabe saber, se depois de tantos problemas, essa seleção de guerreiras superará tudo isso.
Contusão de Usic complicou a vida da Croácia


Azerbaijão
Mais um dos países que mais cresceram no voleibol feminino nos últimos anos, o Azerbaijão não terá vida fácil, até mesmo porque sua principal estrela, a oposta Natalya Mammadova, chegou a ser dúvida para o campeonato e vai jogar o europeu no sacrifício. Tudo por uma lesão que a oposta sentiu no ombro. A luta para as 2 vagas nas oitavas deve ficar entre essas três últimas, seleções crescentes e batalhadoras.
Mesmo com dores no ombro, Mammadova jogará o europeu


GRUPO C 
Polônia
Um dos grandes times europeus, sofre com lesões e ausências nesse campeonato. Joanna Kaczor, Anna Baranska e Malgorzata Glinka são três exemplos de faltas significativas da Polônia. Para piorar sua situação, a ponteira Kinga Kasprzak que vinha se destacando em sua seleção, sofreu uma lesão e está fora do europeu. Mas a Polônia e seus torcedores, comemoram o retorno da grande estrela do país Katarzyna Skowronska, que após problemas com o antigo técnico Jerzy Matlak, afirmou que enquanto ele estivesse no comando, ela não retornaria à seleção. Após os maus resultados no mundial do ano passado, Matlak foi liberado e Skowronska retornou à Polônia. Na fase classificatória, a Polônia deu sorte e caiu em um grupo mais fraco, diferente da maioria das rivais. 
Depois de batalha travado com Jerzy Matlak, Skowronska finalmente retorna à seleção


República Tcheca
Chamaram a atenção no último mundial, derrubando a Itália e quase fazendo o mesmo com o Brasil. Uma equipe de ponteiras jovens, destaques do italiano, foram conhecidas pelo mundo no ano passado. A ponteira Helena Havelkova e a oposta Aneta Havlickova são destaques do time e se mantiverem uma forma semelhante ao ano passado, podem até ser líderes do grupo.
Jovens e vibrantes, tchecas arrancaram elogios no último mundial


Romênia
Um país sem tradição no voleibol, deve lutar para conseguir a terceira colocação. Tem uma boa oposta, Carmen Turlea que joga no campeonato italiano e veio reforçar a seleção para o europeu.


Musa romena, Turlea foi convocada de última hora para o europeu


Israel
Outro time que investe no voleibol, apesar de não ter um campeonato de nível. Israel não deve ir longe, um jogo de bolas altas e lentas, provavelmente não passará da primeira fase, mas uma vitória em cima da Romênia não seria impossível.
Israel quer surpreender no europeu




GRUPO D 
Rússia
Uma das favoritas ao título, não foi tão bem quanto esperava no Grand Prix. Supostos problemas internos se transformaram em desculpa para a 4ª colocação de uma das favoritas no Grand Prix. Quem acompanhou tal competição, pôde conferir que muito se fala na monstra Ekaterina Gamova, mas que na verdade é a ponteira Lioubov Sokolova quem coordena aquele time taticamente. Além de Sokolova, Tatiana Kosheleva está lesionada e também não participará do europeu. Natalya Goncharova é uma das substitutas, mas o problema russo é com a instabilidade de Lesya Makhno e Olga Fateeva que disputam a outra posição. É uma das favoritas ao título. Chamar a Rússia de favorita já ficou repetitivo...
Sem Sokolova e Kosheleva, Rússia tenta manter voleibol de nível


Holanda 
A equipe holandesa jogará completa pela primeira vez no ano, com retorno de jogadoras como as ponteiras Debby Stam e Chaïne Staelens. O título mais significativo da Holanda foi o Grand Prix 2007 e em 2009 jogou a final do campeonato europeu contra a Itália, sagrando-se vice. Lembrando que Manon Flier está do outro lado, a Holanda pode sim disputar a primeira colocação com a Rússia e também é um dos grandes nomes do torneio.
Holanda da bela Manon Flier não teve nenhum título de alta relevância após o GP 2007


Bulgária
Um time razoável que passou por muitos problemas, inclusive com o técnico na oportunidade, acusado de assédio, perdeu por tal motivo sua principal estrela: Eva Yaneva. A Bulgária deve lutar com a Espanha pelo 3º lugar, disputa que provavelmente vencerá.
Depois de problemas com o então técnico búlgaro, Yaneva não retornou à seleção búlgara


Espanha
Uma seleção jovem, sem grandes destaques e sem muita experiência em grandes competições mundiais. Teoricamente, a mais fraca equipe do grupo, tem poucos nomes relevantes e busca surpreender no europeu. A jogadora mais conhecida da equipe é a veloz central Amaranta Fernandez, que atuou pelo voleibol italiano.
Jovens espanholas buscam experiência no europeu

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

O caminho continental até a Copa do Mundo

Em novembro acontece o segundo campeonato de nível mundial da FIVB: a Copa do Mundo. Esse torneio serve de classificatório para as olimpíadas do ano seguinte, os seus três primeiros colocados tem vaga garantida nos jogos. A Copa do Mundo acontece de 4 em 4 anos no Japão, com 12 times participando. As vagas para tal torneio vem dos campeonatos continentais: * o campeão Sul-Americano, o campeão da Norceca (formado pelas Américas do Norte e Central, além do Caribe), o campeão europeu, o campeão asiático, o campeão africano, a vaga garantida da seleção que realiza o torneio, o Japão e os 5 segundos melhores colocados (no caso do Japão em 1º ou 2º, também cabe ao 3º colocado do asiático) de acordo com o ranking da FIVB. Algumas seleções já garantiram sua classificação, outras começam a disputa nessa semana. Abaixo, uma síntese dos 5 campeonatos continentais.

Sul-Americano

Sul-Americano marca volta de Jaque
à seleção
Acontecerá de 27 de setembro a 2 de outubro em Lima, no Peru. Nesse ano contará com a participação de 8 seleções divididas em dois grupos: Peru, Colômbia, Bolívia e Uruguai pelo Grupo A e Brasil, Argentina, Paraguai e Chile pelo Grupo B. As duas melhores seleções de cada grupo, rumam à semi-finais. O Brasil vem mais uma vez como favorito e sequer deve ser ameaçado à conquista do título. O adversário tecnicamente mais forte para nossa seleção é a Argentina, que atuou consideravelmente bem no último Grand Prix e merece atenção. O Peru, que nos anos 70 e 80 disputou árduas finais contra o Brasil, conseguindo 12 títulos, hoje em dia não é ameaça para as campeãs olímpicas e deve lutar para tentar derrubar as jovens argentinas.

Europeu

Argentina naturalizada italiana,
Costagrande segue na Azurra
Disparado o melhor campeonato continental, esse ano conta com Itália e Sérvia, que sediarão os jogos, Holanda, Polônia, Alemanha, Turquia, Rússia, República Tcheca, Bulgária, Azerbaijão, Ucrânia, Espanha, Romênia, Israel, Croácia e França, totalizando 12 seleções. A Itália é a grande favorita ao título, vindo completa. E nunca podendo ser descartada a um título, a Rússia de Gamova luta para superar os desentendimentos de sua seleção. Não esquecendo da jovem seleção Sérvia que fez bonito no último Grand Prix, sendo a seleção européia melhor classificada. Os jogos começam a partir do dia 23 de outubro.

Norceca

Campeãs do Grand Prix repetiram o
pódio e se classificaram junto a Rep.
Dominicana
Disputado em Porto Rico entre os dias 10 e 18 de setembro, esse campeonato não teve surpresa alguma: os Estados Unidos foram campeões e assim como a vice-campeã, República Dominicana, garantiram vaga na Copa do Mundo. A tradicionalíssima e multi-campeã seleção de Cuba ficou com o bronze, mas sem a vaga para a Copa. Além dessas seleções, Porto Rico, México, Canadá, Trinidad e Tobago, Costa Rica e Panamá participaram do torneio e garantiram essas posições respectivamente. Bethania De La Cruz foi inquestionavelmente eleita a MVP do torneio.

Asiático

Tailandesas surpreenderam chinesas
na última edição do asiático
Acontecendo atualmente no Taipé Chinês, o campeonato que começou no dia 15 de setembro já está na fase  semi-final. Japão, China, Coréia e Tailândia são os 4 semi-finalistas. China e Japão são favoritos. Lembrando que se a seleção do Japão terminar em 1º ou 2º lugar, o 3º colocado também irá à Copa do Mundo, uma vez que o Japão tem vaga garantida. Por isso, a medalha de bronze pode valer muito! Além das 4 seleções que  seguem vivas na disputa pelo título do africano, outras 8 seleções participaram do campeonato: Taipé Chinés, Coréia do Norte, Irã, Vietnã, Cazaquistão, Índia, Sri Lanka e Austrália, todos já eliminados. As seleções do Turcomenistão e da Indonésia, desistiram da disputa do campeonato. 

Africano

Seleção queniana confirma sua
superioridade no continente
Continente dotado de seleções frágeis, * normalmente conquista apenas uma vaga. E como de costume, ela foi para o Quênia, campeão pela 7ª vez consecutiva após derrotar a Argélia por 3 sets a 1 na final. Chamadas de "rainhas" no continente africano, as quenianas não tem tanto sucesso no voleibol mundial e sequer chegam a vencer em competições desse nível. O campeonato africano contou ainda com Egito, medalhista de bronze, Senegal, Camarão, Tunísia, Botsuana e Nigéria.




* Textos corrigidos

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Ramirez é confirmada no Minas

Cubana de temperamento forte,
Ramirez em breve estreará pelo
Minas 
Uma boa notícia para os torcedores minas-tenistas: a cubana Daymi Ramirez está confirmada na Superliga 2011/2012. Devido a suspeita de fuga de atletas do país caribenho, Ramirez teve a autorização negada para deixar o país em julho, logo quando se apresentaria ao Minas Tênis Clube, atual equipe da atleta. O Minas foi paciente e mesmo de mãos atadas, esperou por Daymi. Segundo fontes, depois de muita burocracia, o governo cubano autorizou a saída da jogadora que chegou essa semana ao Brasil e já está em Belo Horizonte, onde passará por exames de rotina. É a segunda temporada da oposta no vôlei brasileiro, na última a jogadora atuou pelo Banana Boat/Praia Clube de Uberlândia. Além de Ramirez, outros cubanos jogam a Superliga Brasileira, como Yusleiny Herrera também do Minas e a recém anunciada pelo São Bernardo, Nancy Carrillo. As três jogadoras cumpriram carência de dois anos para atuar em um clube do exterior, como determina a lei cubana e ambas, ironicamente, foram carrascas brasileiras no Pan do Rio em 2007.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

As desculpas do blogueiro

É bem difícil manter um blog como o Vôlei FÃminino. Peço desculpa pela longa ausência. Requer paciência, concentração, muito tempo disponível e a única coisa recebida em troca é a satisfação (ou não rs) dos leitores. Agradeço por todas as visitas, elogios e críticas e sempre que possível, postarei. 

Agradecido, 
Luiz Gustavo.