domingo, 10 de abril de 2011

Treino carioca, brilho de SHARILINS

Comemoração de cariocas depois de grande apresentação
do time favorito ao título
O time de Bernardinho passou fácil pelo primeiro confronto da semi-final. A comissão técnica do Unilever é realmente impressionante e soube anular o melhor das adversárias: as ponteiras. Soninha foi "morta" no confronto. Marcou apenas 2 pontos, assim como a reserva Ivna que a substituiu. Ivna é ótim atacante, mas recepção não é seu melhor fundamento. Soninha foi anulada pelo Unilever, assim como Ju Costa. A típica diagonal longa das ponteiras, aquela que morre entre a 5 e a 6, simplesmente não caiu. Quando não chegava o bloqueio, a defesa estava plantada esperando-as. Sem suas ponteiras, foi a hora de Lia chamar a responsabilidade e ser a maior pontuadora do Pinheiros no confronto.  A oposta, que pecou por irregularidade nessa Superliga, marcou 15 pontos de ataque e 3 de bloqueio, fundamento em que a mesma cresceu muito nessa Superliga. Não foi o jogo das centrais! Marina Daloca e Naty Martins não tiveram eficiência como contra o Minas nas quartas. Ressalto mais uma vez a defesa carioca, fundamento em que o time só cresce e vem brilhando. Já Juciely, aos poucos volta a ser uma atacante de meio decisiva, o que não é fácil, substituir Fabiana. Jogando muito, vem crescendo no bloqueio e perseguindo com sua china. Ainda não consigo entender porque Suelen é líbero titular. Michelle é mais veloz, melhor defensora e o passe da primeira não vem sendo tão eficiente quanto Paulo Cocco espera. Já no Rio, Fabí ainda é inquestionável.... Quando o assunto é levantamento, a vez não é de Fabíola. A levantadora ficou mais tempo em quadra do que de fato seu desempenho no jogo permitia. Karine entrou e deu velocidade ao jogo, inutilmente, já que o time carioca fez uma grande apresentação. Não me surpreenderia se Zé Roberto convocasse uma terceira levantadora. E depois do acuamento de Ana Tiemi, Fernardinha do Modena deve ser a mira do técnico brasileiro. Mas se o nível de Fabíola decaiu, a fase de Dani Lins é simplesmente espetacular! A levantadora é disparada a melhor da Superliga, a presença da dupla olímpica fez muito bem a ela. Mari definiu bem: o problema de Dani é psicológico. E Mari voltou jogando MUITA BOLA, o que é ótimo para nossa seleção. Jogou muito, definiu na hora em que o time precisou dela, papel que a oposta Sheilla faz muito bem. 
Mari ultrapassa duplo do Pinheiros
na fase decisiva da Superliga
Sheilla vem cometendo alguns erros expressivos, mas o número de bolas que a oposta recebeu nessa Superliga, é cansativo só de ler. Sorte de Dani Lins e de Bernardinho, que agora tem duas opções de nível no ataque, além de Juciely. Mas o time carioca, também tem suas fraquezas e a principal delas é Regiane. Com todo respeito à ela, Regiane não convence como ponteira. O motivo para ser titular de uma grande equipe é óbvio, a altura, o bloqueio. Não é qualquer time do Brasil que tem uma ponteira de 1,90 parada na rede de 3 esperando as bombas das opostas adversárias. E é por isso mesmo, fato é que Mari joga pela rede de 2. Bernardinho é experiente e só a tira de quadra quando ela prejudica o time. Aí ve Suelle, receptora nata, mas atacante limitada. Bem limitada... Com Mari oculta da recepção, Valeskinha assume o passe. Grande passadora não é, mas pra uma central tá ótimo. Parece que trabalhar na recepção diminuiu o ritmo da jogadora, que pontua pouco. Não está na sua melhor forma...

A conclusão é que o Unilever fez uma grande partida, principalmente de Dani, Sheilla e Mari. O Pinheiros se entregou, não ofereceu a resistência digna de uma semi-final. Mas é time encardido, com volume de jogo e boas atacantes. Tudo pode acontecer ainda...

Pinheiros 0 x 3 Unilever (20x25, 23x25, 11x25)
Maiores Pontuadoras: Sheilla (19) do Unilever e Lia (18) do Pinheiros
Troféu VivaVôlei: Suelle, ponteira do Unilever

Nenhum comentário:

Postar um comentário